Produção Gráfica #28: Offset digital

No artigo anterior falamos sobre offset plana e rotativa. No artigo de hoje você vai conhecer o offset digital, seu processo e suas particularidades.

Este artigo faz parte da série Produção Gráfica. Clique no link e leia todos os capítulos que já foram publicados.

O offset digital é diferente do processo tradicional por dois motivos: não utiliza água em seu processo de impressão e pelo uso de CtPress (que significa “do computador para a impressora”), ou seja, os dados são enviados digitalmente diretamente do computador para a impressora, fazendo a revelação das chapas diretamente nela.

Isso acontece devido ao uso de chapas especiais, compostas por áreas em fotopolimero, que atraem a tinta, e em borracha siliconada, que repele a tinta. A água então é desnecessária como agente direto da impressão.

https://www.youtube.com/watch?v=hFhke_h74jA

É por isso que o processo também é conhecido como waterless offset (offset sem água) ou offset seco. Essa diferença permite a obtenção de cores mais brilhantes e com sutilezas de meios-tons mais nítidas, já que a tinta é impressa pura, sem interferência da água.

Além disso, a variação de tonalidades das cores é nula ao longo da tiragem, o que não acontece no offset convencional. O ganho de ponto também é menor e a secagem da tinta acontece muito mais rápido. Isso possibilita o uso de lineaturas mais altas e acerto de máquina em menos tempo, gerando economia de papel.

Graças a tecnologia empregada no offset digital os problemas de registro são nulos, uma vez que a gravação das chapas acontece digitalmente. As chapas são montadas na máquina antes de serem gravadas e são descartadas depois da tiragem, tudo automaticamente através de controle digital.

https://www.youtube.com/watch?v=bdrLe3yKVrQ

Apesar de o custo do offset digital seguir a lógica do processo convencional (quanto maior a tiragem, mais barato o processo), em geral os insumos, chapas e tintas usadas no digital são mais caros. As chapas, por exemplo, possuem um limite de tiragem que depende de sua construção.

O equipamento também requer mão-de-obra especializada e controle de ambiente (temperatura e umidade) devido ao aquecimento que a ausência da água no processo de impressão causa no equipamento.

Apesar do nome, o termo offset digital ainda é discutido, já que apenas o processo de gravação e ajustes das chapas acontecem digitalmente. A expressão seria mais adequada para descrever os processos híbridos. De todo modo, offset digital é um termo amplamente usado para denominar o conjunto de dispositivos que caracterizam essas impressoras offset.

https://www.youtube.com/watch?v=gNio_kh1JFs
Impressora Híbrida HP INDIGO 3550

A possibilidade de um offset digital em escala condizente com o offset convencional tornou-se concreta a partir da tecnologia Dico (Digital Change Over), desenvolvida pela empresa alemã MAN-Rolland, empregada na rotativa DicoWeb (web é o termo usado para designar impressoras de grande porte).

A máquina lançada em 2000 de altíssimo custo dispensa o uso de chapas pois utiliza matrizes virtuais. A tecnologia Dico (pronuncia-se “daico”) se baseia no processo patenteado de termo-transferência, batizado de SquareSpot.

Por meio de feixes de laser, os dados digitais formam as imagens numa borracha que é continuamente aquecida, que as transfere para um cilindro, que por sua vez as transferirá para o suporte. O cilindro é umedecido continuamente durante toda a impressão, semelhante ao offset convencional com a presença de blanqueta, água e cilindro impressor.

Quando a impressão termina, a matriz virtual é removida e pode ser reconstruída novamente, num processo que leva cerca de 20 minutos no total. Veja a baixo um vídeo demonstrando o processo.

https://www.youtube.com/watch?v=qpQxlYmn2Co

https://www.youtube.com/watch?v=Ty1Gn5ZhDlM

Abaixo você observa a impressora offset digital Kodak e sua tecnologia Nexpress SX.

https://www.youtube.com/watch?v=zWW_1w0DRls

Referências:

Não deixe de acompanhar todos os artigos da série produção gráfica. Nos vemos no próximo post!

Compartilhe este artigo:

Guia de Estudos para Aprender Design por Conta Própria

Baixe o nosso guia e receba dicas e as novidades do Clube do Design no seu email:

Este post tem um comentário

Deixe uma resposta

Mais artigos pra você ler:
Affinity Photo #4 - Abrindo imagens RAW

Affinity Photo #4 - Abrindo imagens RAW

Você pode abrir imagens raw de sua câmera digital diretamente no Affinity Photo. Ao fazer isso, você será capaz de…
Como vetorizar o seu lettering de forma rápida e fácil no Adobe Illustrator

Como vetorizar o seu lettering de forma rápida e fácil no Adobe Illustrator

Hoje vou compartilhar com vocês um dos primeiros vídeos do canal Corporação Criativa onde ensino sobre a vetorização automática feita…
Affinity Photo #3 - Abrindo documentos

Affinity Photo #3 - Abrindo documentos

Você pode abrir fotografias e imagens rasterizadas, bem como uma variedade de imagens raw de câmeras populares no Affinity Photo,…
Como criar um lettering em 8 passos

Como criar um lettering em 8 passos

Que tal aprender mais uma técnica para o desenho de lettering? Nesse vídeo eu vou te ensinar como desenvolver um…
Fechar Menu