Os mascotes e as marcas no design – Parte 1

Uma das saídas que empresas buscam no momento de criar sua identidade visual é a utilização de um mascote, mas você já se perguntou qual é o melhor na hora de representar a identidade visual, se é a logo ou o mascote?

As mascotes são elementos que estão muito presentes em marcas e em campanhas de publicidade, alguns são tão marcantes que já se tornaram ícones.

Sendo assim eu decidi fazer uma série de três artigos falando um pouco sobre essa poderosa ferramenta do marketing e também do design que são os mascotes.

Mascotes de materiais escolares – BigStock.

Mascote ou simbolo? Você sabe a diferença?

De maneira bem simples os mascotes são personagens criados para representar uma marca ou um evento, normalmente são representados na forma de animais embora isso não seja uma regra pois é possível encontrar mascotes em várias formas que não sejam de animais, eu mesmo posso lembrar de uma máquina de passar cartão de crédito e uma embalagem de esponja de aço.

Muitas empresas costumam escolher por ter um mascote como marca ou em alguns casos o mascote faz parte da marca e auxilia na identidade visual da empresa, produto, evento, etc.

Porém não devemos confundir os mascotes com os símbolos em forma de animais, algumas marcas por exemplo tem animais como simbolo que fazem parte da composição mas que não são mascotes.

Mascotes não são estáticos, ou seja, eles tem outras representações gráficas sem perder seu significado, são personagens animados que podem ser representados correndo, pulando, dançando e mesmo assim mantém seu significado.

Já os símbolos, normalmente, não podem ser alterados pois podem mudar a composição e, consequentemente, o significado da marca.

Um bom exemplo da utilização de mascotes foi quando tivemos na mídia a divulgação do mascote da copa do mundo de futebol de 2014 que foi realizada no Brasil. O mascote escolhido foi o tatu-bola, animal genuinamente brasileiro. A escolha do animal como mascote foi oportuna pois chama a atenção para o fato de o tatu-bola estar ameaçado de entrar na lista de animais em extinção.

 

Marca gráfica ou mascote? Qual o melhor?

Na verdade não existe um melhor ou pior, isso é muito relativo, acredito que os mascotes são uma ferramenta que agrega valor a marca e possuem algumas vantagens pelo fato de serem altamente mais fáceis de serem lembrados.

Uma outra vantagem dos mascotes é que eles podem ser representados de algumas formas que as marcas, normalmente, não conseguem, como por exemplo: brinquedos, animações, fantasias, entre outros objetos.

No próximo artigo vamos ver quais são as principais características que devem ser utilizadas na hora de criar um mascote.

Qual dos dois você considera melhor para representar uma empresa ou evento, a marca gráfica ou o mascote?

Veja aqui os outros dois artigos dessa série:

Imagem de capa: BigStock

Compartilhe este artigo:

Guia de Estudos para Aprender Design por Conta Própria

Baixe o nosso guia e receba dicas e as novidades do Clube do Design no seu email:

Este post tem 4 comentários

  1. Faltou so revisar o texto né, amigos. Matéria de 2018 se referindo a copa de 2014 como “um evento que será realizado…” foi triste.

Deixe uma resposta

Mais artigos pra você ler:
Quando mudar a identidade visual?

Quando mudar a identidade visual?

As empresas e profissionais que possuem uma identidade visual, cedo ou tarde vão se deparar com essa questão que a…
Os mascotes e as marcas - Parte 3

Os mascotes e as marcas - Parte 3

Continuando a sequência de artigos sobre mascotes listei aqui alguns ótimos exemplos de mascotes que já foram criados e que…
Será que todo designer precisa de uma marca gráfica?

Será que todo designer precisa de uma marca gráfica?

Nesse artigo gostaria de falar sobre um post que li certa vez e que me deparei com essa questão. Depois…
O que é um mockup?

O que é um mockup?

Quando você começa a aprender sobre design, tende a se deparar com um mundo de novos termos que antes eram…
Fechar Menu