Não tenho projetos prontos! Como monto um portfólio?

Logo que você decide iniciar sua carreira como designer gráfico, ilustrador, arte finalista ou qualquer outra área criativa, uma das primeiras coisas que você vai ouvir é “você vai precisar de um portfólio“. Daí você percebe que não tem um portfólio ainda, afinal de contas você acabou de começar a trabalhar.

Essa é uma situação muito parecida com aquele clássico problema de as empresas precisarem de alguém com experiência, sendo que não te dão a oportunidade de você adquirir essa experiência. No entanto, para esse caso do portfólio, eu acredito que é bem mais fácil de resolver.

Se tem uma coisa que aprendi em todos esses anos como designer gráfico freelancer é que o portfólio é extremamente necessário! Um cliente que esteja lhe sondando não vai te contratar unicamente por que você é legal ou por que já está fazendo faculdade, eles querem ver resultados.

Durante muito tempo acreditei que poderia conseguir clientes mesmo sem ter um portfólio, apenas dando minha palavra de que tinha capacitação para conseguir entregar o projeto com qualidade. Esse foi meu maior engano no início da minha carreira.

O cliente não quer ter dúvidas quanto a sua capacidade de entregar o projeto da maneira como ele quer e precisa. Ele quer ter a certeza de que você é o profissional que vai atender as necessidades do projeto dele. E não adianta você reclamar dizendo que ninguém te dá oportunidade, pois no lugar dele você faria a mesma coisa.

E por que ele iria contratar um designer sem portfólio quando pode contratar qualquer um dos milhares que estão espalhados por aí e que pelo menos tem um portfólio online?

Mas fica calmo pois foi pensando justamente nessa dificuldade de quem está começando que decidi escrever esse artigo te ensinando como você pode ter um portfólio sem mesmo nunca ter tido um cliente antes. Dá uma olhada nessas 3 dicas:

1 – Realize projetos autorais

Sua principal fonte para abastecer seu portfólio enquanto você não tiver clientes são os projetos autorais ou projetos fantasmas, que são aqueles projetos que você desenvolve para você mesmo apenas para exercitar suas habilidades ou para projetos pessoais.

Um bom exemplo disso é a criação da sua própria marca, caso você tenha uma. Você também pode criar um conjunto de ilustrações com um tema, pode recriar o design de um website, fazer uma proposta de marca para uma empresa fictícia, etc.

Aqui é importante que algo fique bem claro, esse trabalho autoral deve ser bem feito, deve ser um trabalho com um mínimo de desafio e que mostre o máximo de suas habilidades. Não precisa ser um projeto super inovador mas ele tem que ser o seu melhor, afinal de contas ele não é um projeto para um cliente real, então isso pode pesar para alguns de seus futuros clientes.

Embora um trabalho autoral não seja para um cliente real e que te permita ter a experiência que o desenvolvimento de um projeto oferece, ele ainda é uma boa opção para mostrar suas habilidades criativas e técnicas como o uso de determinados softwares por exemplo. Esse tipo de projeto já diminui consideravelmente os receios do seu futuro cliente quanto a sua capacidade de entregar o projeto que ele precisa.

Aproveite o seu tempo livre para tocar esse trabalho, sempre buscando fazê-lo utilizando as melhores técnicas de pesquisa e projeto, buscando um embasamento teórico, assim seu trabalho fica tecnicamente melhor e com certeza pode ser a porta de entrada para seus primeiros clientes reais.

2 – Realize projetos voluntários

Outra maneira excelente de garantir o seu primeiro projeto no portfólio é através da realização de trabalhos voluntários. Quantas ONGs não estão por aí precisando de uma marca, ou de um site para apresentar seus trabalhos, ou quem sabe de um cartaz para divulgar um evento beneficente?

Essa também é uma das melhores opções para você conseguir um projeto para colocar em seu portfólio, primeiro por que você estará tendo a oportunidade de ajudar as outras pessoas de alguma forma através dos seus talentos. Segundo por que isso irá te colocar  de frente para uma situação real de projeto, envolvendo prazos, briefing, alterações, etc.

Ou seja, tudo aquilo que um projeto real oferece e que muitos clientes em potencial valorizam na hora de escolher um designer para contratar.

Um site que conheço e que pode te ajudar nisso é o “Adote um Briefing” (que não possui nenhum vínculo com o Clube do Design), que é um site que conecta organizações não governamentais e voluntários que de alguma forma possam colaborar oferecendo seu tempo e talentos. Vale destacar aqui que esse site é apenas uma sugestão, sendo assim fique livre para ajudar qualquer outra ONG que seja de sua preferência.

O ponto principal dessa dica é a seguinte: não é por que é voluntário que você irá fazer de qualquer jeito! Lembre-se que estou te dizendo que esse projeto é para ir para o seu portfólio, sendo assim você deve se empenhar para fazer um trabalho de qualidade e que você terá orgulho de apresentar aos seus futuros clientes.

Lembre-se também que você terá todas as implicações de um projeto real como prazos apertados, briefing pouco claro, cliente indeciso, etc. Pense porém que essa é a oportunidade perfeita de você se mostrar não apenas um bom profissional técnico como também sua habilidade como gestor de projeto e solucionador de problemas.

3 – Utilize seus trabalhos acadêmicos

Os trabalhos acadêmicos também são algumas das melhores fontes de projetos para portfólio. Na internet é possível encontrar vários profissionais de qualidade com portfólios que apresentam trabalhos desenvolvidos na faculdade. Sendo assim comece a considerar a possibilidade de publicar em seu portfólio projetos que você desenvolveu em suas atividades acadêmicas.

Esse tipo de trabalho também é muito bom como prova de suas habilidades pois ele tenta se aproximar do que seria um projeto real, pois também tem um briefing, prazo de entrega e as vezes um “cliente” exigente que no caso seria o seu professor.

Aqui vale a mesma regra que já citei anteriormente, ou seja, utilize apenas aqueles projetos acadêmicos que realmente tenham sido bem projetados, que tenham uma solução criativa e que demonstre suas habilidades, afinal de contas você não vai querer apresentar ao seu futuro cliente um trabalho medíocre que você fez de qualquer jeito.

Caso você ainda esteja na faculdade aproveite para dar o máximo de suas habilidades em seus projetos acadêmicos visando apresentá-los em seu portfólio. Procure fazer um algo a mais e dedicar umas boas horas na execução dele, converse com seus professores e peça ajuda, pergunte no que pode melhorar ou que outras soluções seriam possíveis.

Caso o projeto não esteja bom o suficiente para ser apresentado em seu portfólio, trabalhe um pouco mais nele, mesmo que o prazo de enrega já tenha se cumprido. Lembre-se que o mais importante é que esse trabalho esteja bem executado e represente as suas melhores habilidades.

Conclusão

Seu portfólio é a principal ferramenta que você pode ter para conseguir viver de design. E é por isso que ele é uma ferramenta “viva” que você precisa estar continuamente mantendo e revisando.

Eu sei que é um grande desafio para quem está começando na carreira como designer ter um portfólio e apresentar um trabalho bacana, mas acredite em mim, depois de ter seus primeiros trabalhos em seu portfólio as portas do mercado vão começar a se abrir para você.

E foi pensamento também nisso que tive a ideia de montar a estrutura do meu curso de Lettering Completo na Suíte Criativa de forma a possibilitar que o aluno possa criar um projeto completo e bem embasado como resultado do curso, pois isso já permitiria que ele tenha seu primeiro trabalho publicado em seu portfólio caso ele ainda não tenha nenhum.

Sendo assim dá uma olhada tanto no meu curso de lettering quanto também nos outros cursos da Suíte Criativa e no Clube do Design PRO pois podem ser ótimas maneiras também de você conseguir seus primeiros projetos para apresentar em seu portfólio.

Agora eu quero saber sua opinião! Você também tem ou teve essa dificuldade de publicar seus primeiros projetos em seu portfólio? Compartilha sua resposta com a gente aí nos comentários.

Eu vou ficando por aqui, nos falamos de novo no próximo post.

Valeu!

Compartilhe este artigo:

Guia de Estudos para Aprender Design por Conta Própria

Baixe o nosso guia e receba dicas e as novidades do Clube do Design no seu email:

Este post tem 6 comentários

  1. Parabéns pelo o conteúdo do post!
    Me deu uma boa base para iniciar meu portfólio.

    1. Muito obrigado Nilson!!! Continue nos acompanhando, vem mais artigos sobre portfólio. Abraço.

  2. Legal Rafael C. gostei do post, sou iniciante e caiu como uma luva, esse anime roubo meus estudos e ano que vem vou me dedicar 💯 aos meus projetos.
    Estou com recheio de sair perdendo? sim! mas acredito que se me dedicar vou superar.
    Obg pelas dicas e sucesso.

    1. Valeu Realles! Quando a gente resolve se dedicar a nossos projetos pessoais sempre é um desafio, porém posso te garantir que vale muito a pena. Desejo sucesso em sua carreira. Grande abraço.

Deixe uma resposta

Mais artigos pra você ler:
Como projetar um portfólio incrível

Como projetar um portfólio incrível

Para um designer gráfico, a importância de um portfólio não pode ser exagerada. Na verdade, seu portfólio provavelmente será o fator…
Construindo uma estratégia para o seu portfólio de design

Construindo uma estratégia para o seu portfólio de design

Seu portfólio de design gráfico é o ativo de marketing mais importante que você terá em sua carreira como designer. Com…
Como encontrar novos clientes?

Como encontrar novos clientes?

Um dos principais problemas quando se trabalha como freelancer é a instabilidade, em um mês você pode estar trabalhando como…
Diversificando sua fonte de renda como freelancer

Diversificando sua fonte de renda como freelancer

Se você já tentou trabalhar como designer freelancer sabe que esse é um dos maiores desafios que pode encontrar em…
Fechar Menu