Passamos tanto tempo na frente do computador, ocupados cada vez mais com nossos trabalhos, prazos de entrega e atrás de “insights” que esquecemos a nossa maior fonte de inspiração: nós mesmos.

Desenho à mão é uma conexão direta do cérebro com o papel, através de seus dedos e ferramentas de esboço. Nunca houve uma maneira mais rápida de traduzir o pensamento na mente de um design que o fluxo livre direto de pensamento com o papel. É literalmente sonhar acordado e a coisa mais incrível acontece quando a mente é desencadeada em um espetáculo criativo e artístico combinado com direção de ideia.

Esquecemos cada dia mais da libertação que sentíamos quando crianças ao sentar no chão e colocar no papel tudo que vinha em nossas cabeças. Sem limites. Sem regras. O mundo era todo nosso. Deixamos o computador nos tomar, esquecendo que todas as inspirações começam na natureza, neste caso, o desenho começa em nós.

Te garanto que se você tirar apenas 5 minutos dos seus dias, verá quanta inspiração existe dentro de ti. Rabisque qualquer coisa! Desenhe o que vier à cabeça, não se coloque regras. Então verá a importância dessa prática diretamente em seu trabalho e em seus processos de criatividade!

Compartilhe este artigo:

Guia de Estudos para Aprender Design por Conta Própria

Baixe o nosso guia e receba dicas e as novidades do Clube do Design no seu email:

Deixe uma resposta

Mais artigos pra você ler:
Como organizar seu desktop?

Como organizar seu desktop?

Você já viu uma tela de computador lotada de atalhos e arquivos formando uma verdadeira bagunça visual que não dá…
O MMA no design

O MMA no design

Um dos assuntos mais comentados hoje em dia em todas as mídias, com certeza é o MMA (mixed martial arts)…
Como um freelancer pode organizar as finanças pessoais?

Como um freelancer pode organizar as finanças pessoais?

Dicas que vão te ajudar a organizar seus recursos e evitar os riscos da instabilidade financeira.
Será que todo designer precisa de uma marca gráfica?

Será que todo designer precisa de uma marca gráfica?

Nesse artigo gostaria de falar sobre um post que li certa vez e que me deparei com essa questão. Depois…
Fechar Menu