Tô começando agora, onde pegar trabalho freela?

A primeira coisa que vem à mente da maioria dos profissionais que estão entrando agora no mercado é acessar em um site de concorrência especulativa pra conseguir alguns jobs “fáceis”. Infelizmente esta prática além de não ser uma das mais recomendadas, acaba por intensificar a desvalorização da sua mão de obra.

Neste texto eu vou trazer algumas dicas pra você que tá começando agora e tá precisando captar seus primeiros jobs no mercado criativo freelancer.

Primeiro passo: caia fora dos sites de concorrência

Se você está se perguntando “onde conseguir trabalho fácil e rápido”, esta definitivamente é a pergunta errada. Primeiro, que nenhum trabalho que valha a pena é rápido ou fácil, então o fator motivador aqui pode mais atrapalhar do que ajudar.

Em sites de concorrência especulativa você entra em um selva. São vários profissionais, amadores e entusiastas brigando para conquistar um cliente que quer pagar pouco e receber o trabalho “pra ontem”.

Nem sempre quem ganha a aposta é alguém que sabe o que está fazendo, já que neste tipo de serviço os cliente são mau assessorados e estão a procura de algo “bonitinho” e que possa ser feito no tempo de cozimento de um miojo.

No final da jornada, você vai ter gastado muito mais sua energia, tempo, internet, eletricidade, etc. do que o ganho com o trabalho possa compensar. Sem falar em todas as desvantagens que estes sites podem trazer. Eu falei sobre isto neste artigo.

Tem gente que acha que participar deste tipo de site é válido em prol do “aprendizado e da experiência que se ganha”. Eu respeito isso, porém discordo. No meu ponto de vista isto traz mais malefícios do que benefícios.

Você não pode culpar quem participa oferecendo sua mão de obra e nem quem compra serviços deste tipo de site, afinal, quem aqui nunca precisou pechinchar por algo? Ou estava tão quebrado que tinha que tirar dinheiro de algum lugar? Faz parte do mercado.

Entretanto, não é porque “faz parte” que você precisa efetivamente fazer parte disto. Existem alternativas muito mais eficientes e interessantes no médio e longo prazo que vão te trazer melhores resultados.

Invista em projetos pessoais

A primeira alternativa e sem dúvida a melhor delas é investir no seu portfólio através de projetos pessoais. Mesmo sem ter nenhum cliente, você pode adicionar trabalhos excepcionais ao seu catálogo.

O seu cartão de visitas é o seu portfólio, se você possuir projetos e ideias relevantes nele com certeza conquistará seus primeiros clientes com muito mais facilidade.

Você pode bolar um problema e então desenvolver uma solução gozando da liberdade de definir seus próprios objetivos e metas. É a maneira mais fácil de demonstrar do que você é capaz já que pode direcionar toda a construção do trabalho de acordo com as suas melhores habilidades.

Quer um exemplo? Vinícius Araújo, também conhecido como “VA Designer” investe constantemente em projetos pessoais e vem colhendo seus frutos. Recentemente um de seus projetos alcançou prestígio internacional.

Alcançado o outro lado do mundo, o projeto 36days Eletronics já foi retratado nos principais blogs do segmento criativo, garantindo diversas entrevistas e muita visibilidade ao autor.

Se você visitar o Behance do Vinicius, vai notar um belo número de projetos pessoais em exibição. Todos com ideias curiosas e inovadoras que garantem uma belíssima impressão sobre o seu trabalho. Quem ai não ia querer um teclado destes:

O projeto Adobe Keyboard trouxe uma ideia genial sobre um teclado pensado especialmente para usuários dos softwares criativos da Adobe. Agora imagina um cliente em potencial visualizando este Behance a procura de um profissional 3D?

Desenvolva projetos de redesign

Além de investir em projetos pessoais autorais, você também pode explorar o prestígio de marcas famosas com propostas de redesign ou ideias de produto. O próprio Adobe Keyboard aí em cima é um exemplo claro disto.

Escolha uma marca e então pense em como poderia fazer o seu redesign. Imagine soluções, produtos novos ou ideias de conceito que podem ser criadas para fortalecer esta marca.

Veja por exemplo a proposta de redesign do site da Amazon desenvolvido por Maxim Kuznetsov. Não significa que a Amazon vai comprar a ideia dele, mas vai que a empresa fica sabendo do trabalho e resolve implantá-lo? Além disso, é um item de portfólio interessantíssimo para um cliente a procura de um webdesigner.

O SnapChat já não anda muito bem das pernas e um dos principais motivos é que ele é bem difícil de usar. A maioria das pessoas que abandonam a plataforma alegam não entenderem muito bem como as coisas funcionam ali dentro.

O Designer Ahmed Amziane desenvolveu uma proposta de redesign para o aplicativo que poderia ajudar a marca a se restabelecer. Mais um exemplo de como investir em projetos de redesign de marcas famosas pode te ajudar com o seu portfólio.

Adote briefings comerciais

Uma outra maneira de prospectar seus primeiros clientes e ainda alimentar o seu portfólio é selecionar estabelecimentos comerciais na sua região. Na mesma pegada das propostas de redesign, você pode bolar soluções visuais para o mercado que te cerca. A sacada é identificar os problemas que já acontecem nestes estabelecimentos e criar propostas para resolvê-los.

Depois você pode visitar estes estabelecimentos e apresentar a sua ideia. Você corre o grande risco de causar uma boa impressão e vender a ideia para estes clientes em potencial.

Não confunda “começar agora como freelancer” com “começar agora com designer”, para atuar no mercado frelancer eu recomendo que você já tenha alguma bagagem de experiência. Então estas dicas são ótimas para quem acabou de sair da faculdade ou estava trabalhando como assalariado e agora está explorando o mercado independente.

Investir no seu portfólio e ter o que mostrar para os seus clientes em potencial é sem dúvidas melhor estratégia do que degladiar com centenas de outras pessoas em um site de concorrência especulativa.

Se este for a única saída pra você, não tem problema. Mas não se esqueça de ir fortalecendo o seu portfólio com projetos pessoais, e de fazer investidas no mercado local, assim você pode fechar melhores negócios e explorar a valorização da sua mão de obra.

Compartilhe este artigo:

Guia de Estudos para Aprender Design por Conta Própria

Baixe o nosso guia e receba dicas e as novidades do Clube do Design no seu email:

Este post tem 8 comentários

  1. Onde você está localizado? Tem algum curso presencial em photoshop e Ilustrator? A tua didática é muito boa, gostaria de ter contato contigo, pois sei que posso aprender muito.

  2. Me desculpa, mas qual é a diferença prática do item “Adote briefings comerciais” para os sites de concorrência criativa? Afinal vc tbm vai estar trabalhando de graça.

    1. Quando você cria um projeto pessoal também está trabalhando de graça. Qual a diferença de fazer um site pra Apple ou para o seu vizinho alfaiate? Só porque é uma marca famosa você não está trabalhando de graça?
      Em uma concorrência criativa você trabalha de graça, brigando com uma dúzia de outras pessoas por um projeto que deve ser feito em tempo recorde e sem qualquer critério. E o mais importante, se ganhar, vai receber uma mixaria.
      Um projeto pessoal/comercial é uma ideia que pode ser trabalhada livremente, no seu tempo, usando as suas próprias definições de acordo com o problema exigido. E você ainda pode oferecer para o dono do negócio na tentativa de vende-lo. Você escolhe todas as variáveis e decide se vale a pena investir naquela ideia. Você vai estar concorrendo com quem?

      1. Na verdade os sites de concorrência criativa são bem livres. Você pode escolher qual concurso te interessa com base em vários fatores como: um briefing detalhado e conciso, valor pago, menor concorrência e etc.
        Quanto receber uma mixaria, tem muito site gringo por aí que na conversão monetária acaba pagando muito mais que o Tio da Quitanda aceitaria pagar.
        Sobre a concorrência, penso que ela existe em todos os cenários. Eu posso estar concorrendo com uma agência que esteja prospectando cliente e nem saber disso.
        A única desvantagem que consigo ver em relação ao item do seu tópico é que a concorrência criativa possui um prazo definido para criação que, dependendo da pessoa, pode ser encarado uma espécie de “treinamento”. Afinal, na vida real dificilmente teremos prazos abertos para desenvolver os jobs.

        1. Nós entramos em um campo repleto de subjetividade. Eu dei os meus motivos para não usar sites de concorrência especulativa no artigo que mencionei no texto. Eu não uso e não recomendo que usem e os seus motivos são exatamente os mesmos que me fazem não usá-los.
          -Se você sabe falar inglês, tem uma vantagem ótima sobre os que não sabem e pode captar clientes no exterior através de um site ou redes dedicadas ao relacionamento profissional.
          -Em sites de concorrência, bem, você está disputando por um único cliente, mesmo que escolha os de menor concorrência, ainda assim pode trabalhar de graça em um período apertado e ficar chupando o dedo. O mercado em sí é uma concorrência, mas honestamente, você realmente compararia o mercado de trabalho com um site de concorrência especulativa?
          -Receber uma micharia depende de como você se posiciona no mercado. Mesmo atendendo o Tio da quitanda, você tem liberdade para dialogar com o cliente, estabelecer critérios e metas e não precisa pagar uma comissão pra um site que não fez nada além de… ganhar dinheiro com o seu trabalho.
          -Se quer treinar, pode fazer exatamente o que eu disse, adotar um briefing comercial ou, se quiser trabalhar de graça de forma consciente, entre no site “Adote um Briefing” e faça um trabalho social.
          Reitero novamente, é subjetivo, se você quer e usa sites de concorrência, pode continuar usando, eu não uso e não recomendo que usem… todos nós temos justificativas para usar ou não usar… não é verdade?

  3. Eu sou fã do seu trabalho. Sempre me disseram que eu me encontraria na profissão como Designs gráfico. Confesso, nunca tive minguem que me ajudasse por isto desacreditei. Hoje tenho 48. Eu pergunto a você,se ainda posso investir nesta área como profissão e se você poderia me ajudar?

    1. Oi Glaucio, o design é com qualquer outra profissão, não há limite de idade para aprender uma nova carreira. Basta se dedicar e em pouco tempo é possível ter uma boa bagagem conceitual e colocar a mão na massa.
      Um abraço!

Deixe uma resposta

Mais artigos pra você ler:
Como organizar seu desktop?

Como organizar seu desktop?

Você já viu uma tela de computador lotada de atalhos e arquivos formando uma verdadeira bagunça visual que não dá…
O MMA no design

O MMA no design

Um dos assuntos mais comentados hoje em dia em todas as mídias, com certeza é o MMA (mixed martial arts)…
Como um freelancer pode organizar as finanças pessoais?

Como um freelancer pode organizar as finanças pessoais?

Dicas que vão te ajudar a organizar seus recursos e evitar os riscos da instabilidade financeira.
Será que todo designer precisa de uma marca gráfica?

Será que todo designer precisa de uma marca gráfica?

Nesse artigo gostaria de falar sobre um post que li certa vez e que me deparei com essa questão. Depois…
Fechar Menu