Produção Gráfica #26 – Litografia

A partir deste ponto da nossa série sobre produção gráfica começaremos a estudar cada um dos processos de impressão de forma individual, explorando da forma mais prática possível suas principais características.

Antes de prosseguir, se este for o seu primeiro artigo aqui, recomendo que leia todos os capítulos anteriores desta série clicando aqui. Entender os conceitos apresentados anteriormente facilitará seu entendimento.

A litografia é um processo de impressão antigo, hoje em dia é utilizado apenas em trabalhos com fins artísticos. É uma técnica de impressão que utiliza uma pedra calcária de grão muito fino e baseia-se na repulsão entre a água e substâncias gordurosas.

O termo tem origem grega formada por lithos (pedra) e graphein (escrever). O termo foi criado pelo professor Mitterer em 1805, em Munique. A litografia foi inventada pelo checo Aloysius Senefelder (1771-1834).

Quando criada, a litografia usava uma matriz de pedra polida sobre a qual o papel era pressionado, com os elementos para reprodução registrados na pedra por substancias gordurosas. Quando a pedra era umedecida, as áreas gordurosas repeliam a água e recebiam a tinta, também gordurosa e viscosa, de forma a permitir a reprodução apenas daqueles elementos. A água das demais áreas impedia que a tinta se espalhasse.

Trata-se de um método de impressão a partir de imagem desenhada sobre base, em geral de calcário especial, conhecida como “pedra litográfica”. Após desenho feito com materiais gordurosos (lápis, bastão, pasta etc.), a pedra é tratada com soluções químicas e água que fixam as áreas oleosas do desenho sobre a superfície.

A impressão da imagem é obtida por meio de uma prensa litográfica que desliza sobre o papel.

A flexibilidade do processo litográfico permite resultados diversos em função dos materiais empregados: em lugar da pedra, cada vez mais são usadas chapas de plástico ou metal, em particular de zinco.

O desenho, por sua vez, altera sua fisionomia de acordo com o uso de pena, lápis ou pincel. Testes de cor, texturas, graus de luminosidade e transparência conferem às litografias distintos aspectos.

De extensa aplicação na indústria como processo gráfico – por meio do offset, a litografia é testada por artistas de diferentes épocas. Francisco de Goya (1746-1828) emprega a litografia no período final de sua vida quando realiza, entre outros, a série Touros em Bordéus.

Thédore Géricault (1791-1824), Eugène Delacroix (1798-1863) e Honoré Daumier (1808-1879) são outros exímios na técnica. Daumier, particularmente, executa a litogravura na maior parte de sua obra – calcula-se mais de 4.000 -, sobretudo em seus cartuns políticos e charges sociais.

O Grito, litografia e aguarela, 1895

Edvard Munch (1863-1944), por sua vez, reproduz uma série de pinturas de sua própria autoria, como a famosa tela O Grito, que passa à litografia, em 1895, e Melancolia, 1896. A litografia em cores mobiliza o interesse de artistas franceses como Henri de Toulouse-Lautrec (1864-1901), Pierre Bonnard (1867-1947) e Édouard Vuillard (1868-1940), influenciados de perto pelo sucesso das xilogravuras japonesas. Na Inglaterra é possível lembrar as estampas simbolistas de William Blake (1757-1827) e as imagens de James Whistler (1834-1903).

Veja uma reportagem sobre o processo de impressão litográfico:

No século 19 a matriz litográfica passou a ser feita em metal, podendo assumir a forma cilíndrica e tornando o processo rotativo, dando origem à litografia industrial. Daí em diante foi muito utilizada para impressão de partituras musicais, gravuras e até livros.

A principal desvantagem da litografia era um processo de aplicação trabalhosa, pois utilizava-se impressão direta (quando o suporte tem contato com a matriz). Este não era de fato o problema, já que hoje temos processos que usam o mesmo mecanismo, porém, a litografia usava água sobre matriz, e o contato do metal molhado com o papel danificava o resultado.

Além disso, a tinta litográfica tinha uma viscosidade que fazia com que o papel aderisse à chapa metálica (o papel ficava grudado, interrompendo a impressão), sem mencionar manchas causadas pelo contato das cópias e papeis que ficavam colados uns aos outros na saída. Um processo penoso do ponto de vista industrial.

A solução surgiu no século 20 a partir da inserção de um elemento que convertesse a impressão direta em indireta, filtrando o excesso de água e tinta entre a matriz e o papel. Este mecanismo foi conhecido como “offset litography” ou simplesmente como conhecemos hoje, offset.

Referências:

Se liga nos demais capítulos da série produção gráfica. Até o próximo post!

Compartilhe este artigo:

Deixe uma resposta

Mais artigos pra você ler:
Produção Gráfica #29 - Offset sem água (Driografia)

Produção Gráfica #29 - Offset sem água (Driografia)

A driografia é a precursora dos processos de impressão sem água modernos. Também conhecida como offset seco (sem água), foi…
Manual do mundo mostra como são feitos os cadernos

Manual do mundo mostra como são feitos os cadernos

O Manual do mundo, um canal dedicado em experimentos e curiosidades publicou um vídeo mostrando como são feitos os cadernos.…
Produção Gráfica #28: Offset digital

Produção Gráfica #28: Offset digital

No artigo anterior falamos sobre offset plana e rotativa. No artigo de hoje você vai conhecer o offset digital, seu…
Como criar um lettering em 7 passos utilizando a caneta Tombow

Como criar um lettering em 7 passos utilizando a caneta Tombow

Você com certeza sabe que um trabalho com lettering pode enriquecer bastante o resultado final de seus projetos. Foi pensado…
Fechar Menu