Produção Gráfica #12 – Cores de escala e de seleção

No post anterior, Produção Gráfica #11 – Monocromia e Policromia, aprendemos que a policromia é a forma como as diversas cores são simuladas a partir da impressão com tintas de apenas algumas cores básicas (Processo CMYK – Ciano, Magenta, Amarelo e Preto).

Essas cores, podemos chamar de cores de seleção, e a sua mistura ótica feita por meio das retículas forma uma gama de cores chamada de escala. Desta forma, a escala é a quantidade de cores que podemos obter através da mistura das cores de seleção. Assim, cada um das cores que pode ser obtida misturando, por exemplo, CMYK, é chamada de cor de escala.

Ficou complicado? Vamos a um exemplo mais prático.

  1. Cores CMYK (Ciano, Magenta, Amarelo e Preto): Cores de Seleção
  2. Todas as cores que podem ser criadas a partir da mistura destas cores básicas: Escala
  3. Uma única cor feita a partir desta mistura (Ex. vermelho): Cor de Escala

A escala CMYK, que é a mais utilizada para a produção de policromias (seja em offset, retrogravura, impressão a laser e outros processos de impressão) é conhecida como escala Europa, apesar de na escala Europa não termos a cor preta. Teoricamente o preto seria o resultado da mistura dos pigmentos ciano, magenta e amarelo, porém, como os pigmentos que usamos na impressão são impuros, não é possível formar o preto apenas com esta mistura.

Estima-se que o amarelo tenha até 10% de magenta em sua composição, no ciano, a presença chega a 25%, já o magenta, pode conter até 40% de amarelo em sua composição. Essa impureza não é tão perceptível nos meios tons, mas chama a atenção quando as três tintas são sobrepostas numa impressão chapada.

O resultado é um preto amarronzado, ou esverdeado. É por isso que o preto é incluído como uma quarta cor de seleção, de forma a corrigir estas impurezas nos tons mais escuros. Assim, a escala Europa passou a ser conhecida como Escala CMYK, para não gerar confusão por causa da inclusão do preto.

RGB ou CMYK

CMYK e RGB ©Shutterstock
CMYK e RGB ©Shutterstock

O conceito de escalas é um pouco confuso quando começamos a envolver outros tipos de escalas, como é o caso do RGB. Já falei sobre estas diferenças no artigo Minha arte deve ser feita em RGB ou em CMYK?.

Falando de maneira resumida, as escalas de cores CMYK são compostas por cores pigmentadas (tintas), nas cores ciano (C), magenta (M), amarelo (Y) e preto (K), já a escala RGB é composta por feixes liminosos, nas cores vermelho (R), verde (G) e azul (B).

As cores CMYK são classificadas como subtrativas, já as RGB são aditivas. Isso quer dizer, de um jeito bem simples, que ao ir retirando as cores CMYK do seu processo, você vai obtendo a cor branca (cor do papel), já na escala RGB, para se atingir a cor branca, você deve ir adicionando, ou somando, cada uma das cores.

Como a maneira com que misturamos tinta é absolutamente diferente da maneira com que misturamos luz, os resultados obtidos em cada um destes processos não pode ser aproveitado, tornando necessária a conversão de cores em RGB para CMYK quando queremos imprimir algo.

De um modo geral, quando você envia um documento do computador para uma impressora doméstica, esta conversão é feita automaticamente pela sua impressora. Mas existem meios de fazer esta conversão de forma controlada, a fim de obter resultados fiéis e profissionais. Falaremos mais sobre isso quando chegarmos no assunto gerenciamento de cores.

Ângulos de impressão

As policromias são facilmente identificáveis pela ocorrência de rosetas, que são os conjuntos formados pelos quatro pontos de cada uma das cores de seleção CMYK.

Angulo de reticula
Angulo de reticula

Na maioria dos processos de impressão, o efeito de “colorido” só é obtido graças ao ângulo de rotação de cada cor na retícula, desta forma os pontos são impressos em posições diferentes, não se sobrepondo totalmente e misturando-se diante dos seus olhos, criando a ilusão colorida.

As retículas de cada uma das cores de seleção tem as linhas dos pontos com uma inclinação diferente. No processo offset estes ângulos geralmente são:

  • Ciano: 75°
  • Magenta: 15°
  • Amarelo: 90°
  • Preto: 45°

Claro que para ver a roseta mostrada na imagem acima, você precisaria de um conta-fios (aparelho semelhante a uma lupa) ou então observar uma impressão feita em lineatura muito baixa.

Espero que você tenha aprendido um pouco mais com este post. Se tiver alguma dúvida ou sugestão, compartilha com a gente aqui nos comentários. Nos vemos no próximo post!

Compartilhe este artigo:

Este post tem 5 comentários

  1. Teclei errado o coreto é série, rs…!

  2. Como sempre mais uma séria muito boa!

  3. Esta série fica melhor a cada post, muito bom mesmo. Parabéns Liute 🙂

Deixe uma resposta

Mais artigos pra você ler:
Produção Gráfica #29 - Offset sem água (Driografia)

Produção Gráfica #29 - Offset sem água (Driografia)

A driografia é a precursora dos processos de impressão sem água modernos. Também conhecida como offset seco (sem água), foi…
Manual do mundo mostra como são feitos os cadernos

Manual do mundo mostra como são feitos os cadernos

O Manual do mundo, um canal dedicado em experimentos e curiosidades publicou um vídeo mostrando como são feitos os cadernos.…
Produção Gráfica #28: Offset digital

Produção Gráfica #28: Offset digital

No artigo anterior falamos sobre offset plana e rotativa. No artigo de hoje você vai conhecer o offset digital, seu…
Como criar um lettering em 7 passos utilizando a caneta Tombow

Como criar um lettering em 7 passos utilizando a caneta Tombow

Você com certeza sabe que um trabalho com lettering pode enriquecer bastante o resultado final de seus projetos. Foi pensado…
Fechar Menu