Quando o cliente quer o projeto para ele, não para o público alvo

Quem trabalha desenvolvendo projetos de identidade visual, sites ou até mesmo material publicitário já deve ter enfrentado esta situação. Vemos hoje com muita frequência o cliente (dono ou gerente de empresa) que acredita ser o centro do negócio,  que se acha ser o dono da verdade quando pretende desenvolver um projeto para sua empresa. O projeto centrado no usuário acaba sendo deixado de lado e você tem que se virar para satisfazer a vontade que seu cliente impõe, que acredita que a ideia dele é a melhor, dispensando pesquisas e se baseando apenas no seu senso estético e de “marketing”.

O cliente sempre acha que sabe mais de publicidade, marketing, branding e o comportamento das pessoas quando o assunto é o seu próprio negócio. Eu acredito que cada um estudou e se formou em áreas diferentes justamente para oferecer o melhor no emprego de sua profissão, trazendo assim, resultados positivos para empresas que contratam seus serviços.

No design não é diferente. O profissional criativo busca resolver problemas de branding, aplicação e usabilidade com base em pesquisas, no briefing e na melhor experiência que os usuários têm com determinado tipo de projeto e segmento. Quando você marca reuniões com seus clientes, busca entender melhor qual a sua necessidade e tentar absorver as ideias que seu cliente espera para o projeto, não o projeto todo, como se ele o estivesse fazendo. Isto é uma dura realidade, quando o cliente intervem, lhe dizendo o que você deve ou não deve fazer, ele na verdade está lhe subestimando, e mostrando que não faz nenhum sentido você ter se especializado se ele é quem diz o que quer e como quer.

Buscar a solução

Você, nestes casos, deve ter cartas na manga, e convencer o cliente não vai ser fácil. Possuir argumentos sólidos, e mostrar ao seu cliente com base nas pesquisas que ele está indo pelo lado errado é uma das melhores estratégias. Tente mostrar a ele o que pode acontecer caso ele decida seguir por um caminho diferente, como mostrando, por exemplo, os resultados de outras empresas, seja bons ou ruins, ou até mesmo lhe mostrando o sucesso de seus projetos anteriores. O seu cliente deve entender que o que ele está desenvolvendo deve ir além de seu gosto pessoal por estética, ou o que a “esposa” dele acha do projeto. Ele deve focar no usuário final, e na imagem que a empresa quer transmitir pelos próximos, digamos, 10 anos.

Você já deve ter passado por isto… se não, um dia passará. Compartilhe conosco nos comentários suas experiências e como conseguiu resolvê-las.

Compartilhe este artigo:

Guia de Estudos para Aprender Design por Conta Própria

Baixe o nosso guia e receba dicas e as novidades do Clube do Design no seu email:

Este post tem 0 comentários

  1. Junta tudo isso com um cliente/chefe arrogante, que te enche de pequenos insultinhos, que pra ele é só de brincadeirinha. É um saco de pedras nas costas.

  2. No meu caso quem mais tem me contrariado e o meu patrão o cliente deixa o trabalho pra fazer e eu sou obrigado a criar uma arte de acordo com os seus gostos e nao com os gostos do cliente mas ainda bem que esta postagem ajudou bastante da proxima vez eu terei que convence-lo. Valeu…

    1. Por incrível que pareça, eu também vivo esta mesma situação. Empresa de irmãos, tios, aqui todo mundo é patrão, e adivinha pra quem acaba sobrando? Jáestou planejando abrir meu próprio negócio e trabalhar por conta própria porque eu não estou mais tão disposto onde estou.

  3. Olá Luite, acompanho o seu site a algum tempo e digo que se encontra entre os melhores que já visitei. Minha experiência foi quase que traumática. Primeiro pq o cliente não sabia definir quais aplicações usaria o logo. O site tinha fundo branco, o cartão fundo preto, panfletos fundo azul. Ele queria um logo “universal”…Foi feito…Só que ele queria que o efeito com fundo preto fosse igual do de fundo branco e azul. Sendo que o cartão era de um tipo de papel, panfleto outro e o site, padrão web…Depois tive que ler as “dicas” da esposa, do cachorro, do papagaio de todo mundo que era “especialista” mas nenhum possuía formação…Nenhuma mesmo…

    1. Nossa, isso é coisa que dá até ataque cardíaco. 😀
      Mas conseguiu finalizar o projeto? Gostaria de ver o resultado. 😀

      1. Consegui finalizar sim… 🙂 – Só se for por email. Não posso colocar o logo da empresa aqui…rsrsr

  4. a matéria acima esta totalmente correta, eu tive um cliente que, nem tentando tudo o que está escrito acima, consegui convencê-lo de mudar de ideia, neste caso – um caso extremo de arrogância – eu recomendo um pouco de meditação, yoga, qualquer coisa que te faça não gritar com o cliente serve

    1. E olha que ás vezes dá vontade mesmo é de gritar… Mas mantenhamos a nossa postura profissional. 😀

Deixe uma resposta

Mais artigos pra você ler:
Os mascotes e as marcas no design - Parte 1

Os mascotes e as marcas no design - Parte 1

Uma das saídas que empresas buscam no momento de criar sua identidade visual é a utilização de um mascote, mas…
10 dicas para criar ícones impressionantes

10 dicas para criar ícones impressionantes

Hoje, vou falar um pouco sobre o design de ícones a partir de uma perspectiva mais geral. Vou compartilhar com vocês…
Criatividade – Como pensar fora da caixa?

Criatividade – Como pensar fora da caixa?

A criatividade com certeza é a matéria prima de todo bom projeto de design, é ela que estamos buscando constantemente…
Novidades para 2019 do Clube do Design

Novidades para 2019 do Clube do Design

O Clube do Design trás novidades que reforçam o nosso interesse em te ajudar a descobrir a sua profissão criativa.…
Fechar Menu