Fotografia Básica #15 – O que é e como tirar uma foto estilo silhueta

A fotografia muitas vezes deve deixar de mostrar apenas o que nós já vemos todos os dias com os olhos, para nos apresentar numa visão exclusiva do que a lente pode enxergar. É o caso da fotografia de silhuetas, que pode ir muito além do que nós conseguimos ver normalmente, mostrando um mundo de formas e contornos, cheio de mistério e diferentes emoções.

Ao fotografar a silhueta de um objeto (ou pessoa), quase não existem cores nem texturas e há pouca noção de profundidade. Tudo que o fotógrafo precisa além da câmera é de um contorno bem definido (uma forma bem conhecida ou inusitada), muita luz e um software de edição para pequenos ajustes de exposição e contraste.

Descubra a beleza das sombras e contrastes (Fonte da imagem: Ana Nemes)

 

Quer aprender a fotografar silhuetas? Primeiro é preciso entender corretamente o que esse tipo de imagem pode representar. Uma fotografia assim é muito mais artística do que de registro. Isto é você fotografa uma silhueta para passar mais sentimento do que informação concreta, já que ela não irá mostrar muito do objeto fotografado.

Silhuetas podem trazer um mistério já que não se sabe quem ou o que está sendo fotografado. Elas podem também indicar drama, tristeza, felicidade e muitos outros sentimentos dependendo da intenção e do enquadramento. Esse tipo de recurso força um ponto de vista quase não dando margem para outras distrações do ambiente e por isso pode ser uma boa alternativa para criar um clima mais pessoal.

Fotografar mulheres grávidas desta forma é uma ótima alternativa (Fonte da imagem: Stefan Pasch)

Pegue a sua câmera! Agora você já sabe um pouco mais sobre o que a fotografia de silhuetas pode passar, então é hora de aprender a registrar esse tipo de imagem. Não existem muitos segredos mas alguns truques simples deixam tudo muito mais fácil para que você não precise passar horas tentando até conseguir um bom resultado.

Escolha um objeto com formas definidas

Não adianta fotografar uma silhueta confusa é preciso escolher um objeto com o contorno bem marcado e reconhecível. Não é preciso que as pessoas saibam exatamente o que é aquilo, mas que elas entendam a ideia que você quer passar.

Por exemplo, a imagem a seguir, tirada utilizando um celular, pode conter bastante mistério sobre o objeto fotografado e as circunstâncias do momento do disparo, porém a ideia de suspense é passada, e é isso o que realmente importa. Lembre-se, você precisa passar mais sentimentos do que informações concretas.

39732

 

Nem tudo pode ser reduzido a uma silhueta, então faça muitos testes para saber o que pode ser fotografado ou não. Tente enxergar mais os contornos externos dos objetos, e menos os detalhes internos.

Ajuste as luzes

Dois fatores entram neste tópico são o flash e a iluminação. É muito importante que você entenda o princípio das fotos de silhuetas, para saber adaptar isso para praticamente qualquer situação, com luzes naturais e artificiais.

Única regra

Desligue o flash! Existem poucas regras na fotografia já que cada pessoa deve ser livre para criar da maneira que achar melhor, porém se você quer conseguir uma foto de um contorno precisa abrir mão do uso do flash. Isso por que neste caso todo o conceito de iluminação está invertido literalmente.

O pôr do sol é uma ótima fonte de luz para esta técnica (Fonte da imagem: Damian Overton)

Enquanto na fotografia tradicional a iluminação é frontal, toda a luz em uma foto de um contorno precisa vir do fundo. Você já deve ter passado por algo semelhante: Vai tirar foto de alguém e o fundo fica claro e a pessoa escura. Nesses casos você inverte as posições e a luz passa a iluminar a pessoa.

Isso acontece pois a máquina não consegue compensar iluminação como os nossos olhos o fazem. Quando nós olhamos algo em contraluz na maior parte dos casos conseguimos lidar relativamente bem com isso e enxergar o objeto corretamente.

Já a câmera não consegue isso. Quando ela lê uma enorme quantidade de luz vinda da parte de trás do objeto ela é incapaz de compensar a iluminação para diminuir o brilho de uma região e aumentar da outra. Deste modo para criar uma silhueta basta iluminar o objeto de trás para frente!

A fonte de iluminação pode variar: uma janela aberta, uma parede iluminada, o pôr do sol etc… O truque é que você esteja em um local menos iluminado e a pessoa (ou objeto), sendo iluminada de trás para frente.

Escolha ângulos que valorizem os detalhes. (Fonte da imagem: Flickr/Justin Lucarelli)

Assim como é importante escolher um objeto com um contorno bem definido, é igualmente importante sabe posicioná-lo corretamente, decidir o melhor ângulo, para valorizar a sua forma. Por exemplo, se você for fotografar o rosto de uma pessoa, é interessante registrá-la de perfil, já que, desta forma, detalhes como os olhos e a boca são visíveis.

É importante também que as formas não fiquem coladas e se tornem um amontoado de contornos sem sentido. Por exemplo para fotografar casais, procure não aproximar os pombinhos, pois as suas formas se confundiriam. Neste caso, a imagem deles de mãos dadas (ou de um beijo de perfil) funciona muito melhor!

Casais se beijando são melhores registrados de perfil (Fonte da imagem: Makena Zayle Gadient)

Na fotografia de silhuetas praticamente não existe profundidade de campo e quase tudo o que aparecer na foto vai dar a impressão de estar à mesma distância do fotógrafo. Deste modo a dica é sempre deixar os objetos (ou pessoas) separados entre si para que suas formas não se confundam.

Controle a câmera

É possível fotografar silhuetas usando tanto o modo manual da câmera quando o automático a escolha é toda do fotógrafo e os ajustes são bem simples. Primeiramente escolha um ISO baixo, já que você não precisa deixar a sua foto clara demais e valores altos de ISO podem comprometer a qualidade do disparo. Não deixe de pensar também do foco. Se você quer o contorno do objeto bem marcado não esqueça de focá-lo!

Modo manual

Usando o modo manual da câmera você precisa pensar em dois fatores, além do ISO: velocidade e abertura. Ajuste um valor médio para o obturador dependendo da quantidade de luz que está disponível. Valores muito altos (obturador mais fechado) vão deixar tudo muito escuro, e valores baixos demais deixam a fotografia superexposta (branco estourado).

A velocidade de disparo é um fator decisivo, e você pode ajustá-la sempre um pouco mais rápida do que o seu fotômetro pede, pois vai ser suficiente para capturar as partes claras e deixar a sombra bem marcada. Se sua câmera possui ajuste de compensação de exposição, você pode escolher um valor abaixo de zero (aproximadamente -2, dependendo do caso) para ajudar a compor as sombras.

Fotografe animais usando essa técnica (Fonte da imagem: Kol Tregaskes)

Modo automático

O problema de fotografar no modo automático é que as câmeras mais novas possuem sistemas de compensação de iluminação muito melhores do que antigamente. Isso é ótimo, mas nesse momento o que você precisa é de um contraste. Como conseguir isso? Simples, basta enganar a câmera!

Assim como o foco, a medição de luz acontece quando o obturador é disparador pela metade. Para enganar a câmera, aponte a lente para a parte mais clara e aperte o disparador até que a fotometria seja realizada. Sem tirar o dedo do botão, volte a lente para o enquadramento original e finalize o registro!

Faça ajustes posteriores

Não é pecado nenhum editar a sua fotografia no Photoshop, ou outro editor de imagens que você utilize. Na verdade a maior parte dos fotógrafos faz isso, para deixar a foto com aquele ar de imagem de revista.

Se a sua foto ficou ótima, mas a sombra não ficou escura o suficiente, existe salvação! Vá até os controles de exposição e iluminação do seu editor e aumente um pouco (não exagere!) o contraste. Se você souber mexer com níveis, pode controlar melhor os tons claros e escuros, para destacar ainda mais os contornos.

Use filtros, brinque com o foco, faça o que a sua criatividade permitir! (Fonte da imagem: Gabe Lopez)

Use filtros, brinque com o foco, faça o que a sua criatividade permitir!

Pode parecer que a fotografia de silhuetas é muito limitada, mas isso não é verdade. Nós ensinamos aqui apenas os princípios básicos, os quais você pode usar para inovar e criar imagens únicas e criativas. Utilize por exemplo tecidos entre o objeto e o fotógrafo, para criar um visual diferente e misterioso. Você pode desfocar os objetos, utilizar luzes coloridas etc… Não tenha medo de criar!

Acompanhe todos os artigos desta série clicando aqui!

Compartilhe este artigo:

Guia de Estudos para Aprender Design por Conta Própria

Baixe o nosso guia e receba dicas e as novidades do Clube do Design no seu email:

Deixe uma resposta

Mais artigos pra você ler:
10 dicas para criar ícones impressionantes

10 dicas para criar ícones impressionantes

Hoje, vou falar um pouco sobre o design de ícones a partir de uma perspectiva mais geral. Vou compartilhar com vocês…
Criatividade – Como pensar fora da caixa?

Criatividade – Como pensar fora da caixa?

A criatividade com certeza é a matéria prima de todo bom projeto de design, é ela que estamos buscando constantemente…
Novidades para 2019 do Clube do Design

Novidades para 2019 do Clube do Design

O Clube do Design trás novidades que reforçam o nosso interesse em te ajudar a descobrir a sua profissão criativa.…
Como calcular tamanho de impressão, resolução de imagem e resolução de saída

Como calcular tamanho de impressão, resolução de imagem e resolução de saída

Quantos pixels deve ter uma imagem que vai ser impressa com 10cm a 300dpi de resolução? Tenho uma imagem de…
Fechar Menu