Design Inclusivo #5 – Os sete princípios do design universal

Uma equipe do Centro para o Design Universal da Universidade Estadual da Carolina do Norte (EUA), como parte do seu projeto “Estudos para Incrementar o Desenvolvimento do Design Universal”, conduziu uma série de avaliações de produtos de consumo, espaços arquitetônico e elementos de construção.

A equipe do Centro reuniu então um grupo de trabalho composto por arquitetos, designers industriais, engenheiros e investigadores para elaborar um conjunto de princípios que pudesse conter a base de conhecimento existente sobre Design Universal.

Estes princípios aplicam-se a todas as disciplinas de projeto (arquitetura, urbanismo e design) e a todas as pessoas.

Podem ser aplicados para avaliar objetos ou ambientes existentes, guiar o processo de design, e educar designers e consumidores acerca das características que tornam os objetos e os ambientes mais usáveis.

O desafio inerente à abordagem proposta pelo Design Universal, deve ser entendido como uma inspiração para um bom projeto e não como um constrangimento, sendo a universalidade de utilização um limite inatingível, que ao ser perseguido, promove um processo de melhoramento continuado do mundo construído.

Para tal, a equipe do Centro para o Design Universal desenvolveu os sete princípios do design universal.

Uso Equitativo

É útil e vendável a pessoas com diversas capacidades.

  • Proporciona a mesma forma de utilização a todos os utilizadores: idêntica sempre que possível; equivalente se necessário.
  • Evita segregar ou estigmatizar quaisquer utilizadores.
  • Coloca igualmente ao alcance de todos os utilizadores a privacidade, proteção e segurança.
  • Torna o produto apelativo a todos os utilizadores.

Flexibilidade no Uso

Acomoda um vasto leque de preferências e capacidades individuais.

  • Permite escolher a forma de utilização.
  • Acomoda o acesso e o uso destro ou canhoto.
  • Facilita a exactidão e a precisão do utilizador.
  • Garante adaptabilidade ao ritmo do utilizador.

Uso Simples e Intuitivo

O uso é de fácil compreensão, independentemente da experiência, do conhecimento, das capacidades linguísticas ou do atual nível de concentração do utilizador.

  • Elimina complexidade desnecessária.
  • É coerente com as expectativas e a intuição do utilizador.
  • Acomoda um amplo leque de capacidades linguísticas e níveis de instrução.
  • Organiza a informação de forma coerente com a sua importância.
  • Garante prontidão e resposta efetivas durante e após a execução de tarefas.

Informação Perceptível

  • Comunica eficazmente, ao utilizador, a informação necessária, independentemente das suas capacidades sensoriais ou das condições ambientais.
  • Usa diferentes modos (pictográfico, verbal, táctil) para apresentar de forma redundante informação essencial.
  • Maximiza a “legibilidade” de informação essencial.
  • Diferencia os elementos em formas que possam ser descritas (i.e., fazer com que seja fácil dar instruções ou orientações).
  • É compatível com a diversidade de técnicas ou equipamentos utilizados por pessoas com limitações sensoriais.

Tolerância ao Erro

Minimiza riscos e consequências adversas de ações acidentais ou não intencionais.

  • Ordena os elementos de forma a minimizar riscos e erros: os elementos mais usados são mais acessíveis, e os elementos perigosos são eliminados, isolados ou protegidos.
  • Garante avisos de riscos e erros.
  • Proporciona características de falha segura.
  • Desencoraja a ação inconsciente em tarefas que requeiram vigilância.

Baixo Esforço Físico

Pode ser usado de uma forma eficiente e confortável e com um mínimo de fadiga.

  • Permite ao utilizador manter uma posição neutral do corpo.
  • Usa forças razoáveis para operar.
  • Minimiza operações repetitivas.
  • Minimiza esforço físico continuado.

Tamanho e Espaço para Aproximação e Uso

São providenciados tamanho e espaço apropriados para aproximação, alcance, manipulação e uso, independentemente do tamanho do corpo, postura ou mobilidade do utilizador.

  • Providencia um campo de visão desimpedido para elementos importantes para qualquer utilizador sentado ou de pé.
  • Torna o alcance a todos os componentes confortável para qualquer utilizador sentado ou de pé.
  • Acomoda variações no tamanho da mão ou da sua capacidade de agarrar.
  • Providencia espaço adequado para o uso de ajudas técnicas ou de assistência pessoal.

 

Compartilhe este artigo:

Guia de Estudos para Aprender Design por Conta Própria

Baixe o nosso guia e receba dicas e as novidades do Clube do Design no seu email:

Deixe uma resposta

Mais artigos pra você ler:
Os mascotes e as marcas no design - Parte 1

Os mascotes e as marcas no design - Parte 1

Uma das saídas que empresas buscam no momento de criar sua identidade visual é a utilização de um mascote, mas…
Manual do mundo mostra como são feitos os cadernos

Manual do mundo mostra como são feitos os cadernos

O Manual do mundo, um canal dedicado em experimentos e curiosidades publicou um vídeo mostrando como são feitos os cadernos.…
Como criar um lettering em 7 passos utilizando a caneta Tombow

Como criar um lettering em 7 passos utilizando a caneta Tombow

Você com certeza sabe que um trabalho com lettering pode enriquecer bastante o resultado final de seus projetos. Foi pensado…
Como apresentar um projeto em seu portfólio de forma prática

Como apresentar um projeto em seu portfólio de forma prática

Se você pretende trabalhar com Lettering e Caligrafia, ou mesmo com design em geral, é fundamental que saiba como apresentar…
Fechar Menu