Como lidar com clientes e orçamento de logotipo

Neste post, vou destacar métodos e os motivos para lidar com novos clientes, questões orçamentárias e de quanto o lotipo do cliente pode custar.

Este artigo é fonte de pesquisa, tradução e adaptação de Imjust Creative. Visite o link e dê reconhecimento e prestígio ao trabalho. Ele merece! Você também pode encontrar o link para o artigo original no final deste post.

Este cenário é muitas vezes complicado. Este artigo reflete meus métodos de trabalho, e isso pode não servir para todos. Tudo o que eu sei é que funciona para mim, e é algo que eu estou constantemente aprimorando e revisando. De maneira nenhuma pretendo dizer: “é assim que deve ser”, porque todos nós trabalhamos de formas diferentes. Mas, dado o fato de que funciona, eu sinto a necessidade de compartilhar isso com você. Sinta-se livre para criticar, concordar ou qualquer outra coisa.

Primeiro Contato

O primeiro contato geralmente ocorre quando um novo cliente se aproxima de você, seja pessoalmente ou através de seu portfólio online perguntando sobre um novo projeto de logotipo. Normalmente, a primeira coisa que ele lhe perguntará é: “Quanto vai custar?” ou coisas parecidas como: “Como você cobra para fazer um projeto de logo?”, “Estou começando uma nova empresa e preciso de um logotipo para fazer isto e aquilo, quanto vai custar? “,” Eu só tenho R$100, você pode criar um logotipo por este preço?” E assim por diante.

Está sentindo a pressão?

Imediatamente, o ônus é imposto a você, e você fornece uma resposta firme quase instantânea, sem nem saber nada sobre o cliente ou o negócio.

Alguns designers sentem-se pressionados pelo cliente nesta fase inicial, quase esmagados com a incerteza. Ela pode ser agravada se você está desesperado para pegar o job, ou interessado ​​em não perder este cliente, etc. Pode ser um choque para o seu sistema, você começa a duvidar de seus próprios preço, você se sente quase obrigado a oferecer um desconto, mesmo que você não saiba nada sobre ele. Possivelmente você não quer assustá-lo com uma resposta negativa, de modo que você propositadamente vicia seus próprios costumes, chegando a uma cotação estupidamente baixa.

Entre no jogo

Eu descobri, por meio de falhas dolorosas e repetidas, que a melhor maneira, e a mais produtiva, é colocar o ônus de volta ao cliente. Isso pode ser feito rapidamente, de forma harmoniosa e justa.

Para mim, tudo se resume ao que eles estão dispostos a pagar, ou melhor ainda, investir em sua identidade visual, que pode valer o seu negócio. O objetivo não é chegar a um preço aleatório.

Qual é o seu orçamento?

Pergunte ao cliente o orçamento que ele têm para marketing, publicidade e afins. Não com tantas palavras, mas você está insinuando que, se eles nem sequer teham pensado sobre isso, então eles precisam fazê-lo agora.

Isso é importante, jogar a questão do orçamento de volta no cliente.
Você não iria abordar um arquiteto perguntando: “Quanto custa para projetar-me uma casa?” e com base nessas poucas palavras, esperar que o arquiteto chegue a um preço firme. Você deveria fornecer ao arquiteto mais informações, estilo da casa, tamanho, idéias, pensamentos, gamas de preços antes de pensar em receber o custo. É praticamente a mesma idéia quando se trata de um logotipo ou projeto de identidade visual.

Pergunte ao seu cliente o valor que ele coloca neste novo negócio. Quanto ou quão pouco eles estão preparados para “investir” em dar ao negócio o empurrão que ele precisa para fazer um impacto positivo e significativo.

O logotipo, a identidade visual, é a porta de entrada para o seu negócio. Ele define o humor, ele determina como as pessoas vão reagir, como as pessoas vão ver e avaliar este negócio. Não há como negar isso, isso é coisa importante.

Não se deixe pressionar a chegar em uma citação sem sentido e barata. Se o cliente não está disposto a nomear um orçamento, você precisa forçar e dar um passo a frente, expondo as razões por que não fazê-lo pode prejudicar o resultado final. Você também pode usar o exemplo ldo arquiteto acima como uma comparação no seu diálogo.

Você precisa de pelo menos uma idéia aproximada do seu limite máximo.

O orçamento lhe dá algumas das informações para você decidir se o trabalho vale a pena. O outro aspecto importante que deve ser avaliado é o “prazo”, mas vamos falar disso em outro post. Mas eu devo dizer, se o cliente fornece um prazo detalhado, e é claro muito trabalho envolvido, mas ele só possui um orçamento de, digamos, R$ 400 reais, então você sabe que o trabalho não vale a pena. Ou ele está seriamente tentando se dar bem, ou ele realmente não sabe o valor do design. Neste último caso, você pode ajudá-los neste momento, explicando o verdadeiro valor e importância de investir um orçamento justo e decente.

Ajudar e aconselhar

Como designers, nós obviamente sabemos quanto tempo as coisas tomam, a necessidade de pesquisas, etc e, portanto, o valor do que o que fazemos é facilmente mensurável. Mas nunca se esqueça que para não os designers, este é suscetível de ser território desconhecido. Portanto, não se permita descer ao fundo do poço e assumir todo tipo de cliente. É mais do que possível que, dada alguma ajuda e conselhos, ele verá que precisa investir mais do que havia pensado originalmente. Nem todo mundo sabe de tudo. Assim como eu não tenho nenhuma idéia do verdadeiro valor de um projeto de arquitetura, por exemplo. Eu não tenho nenhuma dúvida de que eu iria ser surpreendido com os custos envolvidos para contratar um arquiteto experiente, ou contratar um advogado da capital.

Por esta razão, eu acho que ofecer um “primeiro contato” por telefone ou Skype pode realmente suavizar as coisas para algumas pessoas. O briefing pode ser apenas um borrão para ele, ou ele precisa de algum conselho verbal inicial em primeiro lugar. Este vale a pena considerar. Um bate-papo verbal é mais confiante e inspirador para a maioria das pessoas. A idéia de que ele leia as informações no briefing sem um contato pessoal o deixa a par do processo e dos vários custos envolvidos.

Neste ponto, ressaltando que o orçamento precisa ser trabalhado torna-se mais fácil, não tão inesperado e ele estará menos propenso a colocá-lo contra a parede.

O briefing ou formulário on-line

Incorporando um briefing, seja impresso ou através de formulário on-line em seu site ou portfólio você fará a melhoria mais importante do seu fluxo de trabalho. Isso funciona como um filtro, que elimina aqueles que realmente não tem vontade de pagar preços “justos”, ele informa as pessoas sobre os princípios básicos do logotipo e o design de identidade visual. Ele ajuda a colocar seus preços em contexto.

Ele lhe poupa tempo, e lhe salva de uma porrada de stress.

O briefing coloca o ónus do projeto do logotipo de volta sobre o cliente. Não sobre você.

O formato dá informação, educa bem e orienta o cliente durante o processo, levando-o a pensar em aspectos do design de logotipo e identidade visual que ele pode não conhecer. Se o cliente se sente incomodado em preenchê-lo, então você realmente não vai querer trabalhar com um cliente que claramente não se leva a sério. Da mesma forma, um cliente que preenche o formulário, passa um tempo com as respostas, e aloca um orçamento justo que irá permitir que você se sinta confortável em aceitar o projeto. Você sabe que, mesmo nesta fase inicial, o cliente está no seu nível, eles aparentemente entendem ou pelo menos apreciam um bom design, e o seu custo.

E tudo isso não significa que você não terá que lidar cara a cara com o “quanto custa o design de logotipo?”. O

 

formulário educa e sensibiliza para o processo de design envolvidos.

Tive clientes que admitiram que, antes de preencher o formulário, eles estavam pensando em gastos de apenas R$ 500 reais, mas uma vez que eles lram o formulário, tiveram que parar e pensar sobre as perguntas, perceberam o quão baixa a soma inicial era . Em última análise, eles saíram mais felizes e mais confiantes sobre como trabalhar comigo, mesmo tenham gastado mais dinheiro.

Para concluir

pra concluir

É importante que você tente orientar o cliente quanto aos custos do seu projeto. É uma expectativa justa e razoável, afinal, é o negócio dele, não o seu.

Tente não ser iludido com frases do tipo “Eu simplesmente não tenho recursos no momento para investir em um design de logotipo.” Isso realmente não é problema seu. A falta de fundos não deve se tornar de maneira nenhuma  o “seu” problema. Se você se permitir ser enganado, e assumir um projeto barato que envolve muito trabalho e pesquisa, você mesmo está sendo ferrado financeiramente. Isso só leva a todos os tipos de problemas mais abaixo da linha do orçamento ruim.

Só o cliente pode colocar um valor razoavel sobre o peóprio negócio, a importância de uma identidade sólida. O orçamento determina como ele está comprometido, que em última análise determina quanto tempo “você” deve se dedicar em trabalhar com ele. Eu geralmente acabo trabalhando mais horas do que eu planegei, mas isso é só comigo, eu escolho quando fazer.

Eu não estou dizendo que qualquer cliente com um pequeno orçamento deve ser ignorado, longe disso. É por isso que criaram inúmeros pacotes para essas situações. Eu escolho oferecer pacotes de “orçamento” com taxa fixa para aqueles que são financeiramente limitados, bem como o mais um orçamento diferenciado para os verdadeiros grandes projectos. Mesmo assim, estou ditando o ritmo, por assim dizer, é no meu território, portanto, menos surpresas desagradáveis.

O briefing ou formulário de cotação on-line realmente vale a pena considerar se você quiser evitar esse tipo de cenário. Você é o designer, eles estão contratando você. Presumivelmente, eles estão vindo para você porque gostam do que faz, de modo que isso só se traduz em uma coisa: Eles precisam pagar. Dá uma olhadinha na ferramenta de criação de logotipos do Logaster.

Este artigo é fonte de pesquisa, tradução e adaptação de Imjust Creative. Visite o site original para reconhecer este maravilhoso trabalho.

Lembre-se da auto-estima, tanto financeira quanto de outras áreas de sua vida.

Não se queça de deixar sua opinião e suas experiências com clientes nos comentários. O compartilhamento de informação sempre será nosso principal foco de trabalho.

[alert-announce]Créditos de imagem: Photol[/alert-announce]

Compartilhe este artigo:

Guia de Estudos para Aprender Design por Conta Própria

Baixe o nosso guia e receba dicas e as novidades do Clube do Design no seu email:

Este post tem 0 comentários

  1. Obrigada por compartilhar tão preciosas informações!

  2. Olá Liute, Primeiramente gostaria de parabeniza-lo pelo projeto Clube do Design, que me já me ajudou e ainda ajuda muito .
    Estou com uma situação com um cliente e gostaria da opinião de alguém experiente na área:
    Estou fazendo um portifólio e os certificados de participação deste cliente , só que de uns tempos pra cá o cliente não me envia os nomes para o certificado nem o arquivo final do portifólio .
    Creio que ele se arrependeu e não queira terminar os projetos .

    O que posso fazer ?
    cobrar o restante , já que é ele que parece não querer mais ou aguardar pra ver no que vai dar.

    Grato pela sua opinião

    1. Oi Robert, creio que a melhor saída seja entrar em contato com o cliente para a conclusão do projeto. Tudo depende da comunicação que você tem com este cliente, ligar pedindo o “pagamento” pode fazer com que ele desista de vez de terminar o projeto. Converse com o cliente e verifique se o motivo de ele ter deixado o projeto em standby não possa ser problemas financeiros ou algum outro problema pessoal que todos nós estamos sujeitos a passar. Falei sobre este tipo de situação neste post: https://www.clubedodesign.com/2013/11/projetos-engavetados-como-se-livrar-deles/

      Espero que lhe ajude. Um abraço!

  3. Muito bom o conteúdo, parabéns !

  4. Parabéns pela publicação do artigo, mesmo não sendo de sua autoria.

    1. Obrigado Hildo. Me esforço em divulgar informações importantes aos nossos leitores.
      Um abraço!

Deixe uma resposta

Mais artigos pra você ler:
Os mascotes e as marcas no design - Parte 1

Os mascotes e as marcas no design - Parte 1

Uma das saídas que empresas buscam no momento de criar sua identidade visual é a utilização de um mascote, mas…
10 dicas para criar ícones impressionantes

10 dicas para criar ícones impressionantes

Hoje, vou falar um pouco sobre o design de ícones a partir de uma perspectiva mais geral. Vou compartilhar com vocês…
Criatividade – Como pensar fora da caixa?

Criatividade – Como pensar fora da caixa?

A criatividade com certeza é a matéria prima de todo bom projeto de design, é ela que estamos buscando constantemente…
Novidades para 2019 do Clube do Design

Novidades para 2019 do Clube do Design

O Clube do Design trás novidades que reforçam o nosso interesse em te ajudar a descobrir a sua profissão criativa.…
Fechar Menu